Morte na panela ( estudo dado no manaaim)

images
 
Morte na Panela 

“E, voltando Eliseu a Gilgal, havia fome naquela terra, e os filhos dos profetas estavam assentados na sua presença; e disse ao seu servo: Põe a panela grande ao lume, e faze um caldo de ervas para os filhos dos profetas. Então um deles saiu ao campo a apanhar ervas, e achou uma parra brava, e colheu dela enchendo a sua capa de colocíntidas; e veio, e as cortou na panela do caldo; porque não as conheciam. Assim deram de comer para os homens. E sucedeu que, comendo eles daquele caldo, clamaram e disseram: Homem de Deus, há morte na panela. Não puderam comer. Porém ele disse: Trazei farinha. E deitou-a na panela, e disse: Dai de comer ao povo. E já não havia mal nenhum na panela.”   II Reis 4: 38-41

1 –        Introdução

Houve uma fome em Israel, nos dias do profeta Eliseu, e ela era o resultado de um juízo de Deus sobre o povo por causa dos seus pecados.

Naqueles dias Eliseu voltou a Gilgal e encontrou ali os filhos dos profetas, que se assentaram na sua presença e esperaram uma providência da parte do servo de Deus.

2 –        Fome Atual

O mundo hoje vive um grande momento de fome espiritual, e as pessoas lançam mão de tudo que encontram pela frente, com o propósito de suprir suas necessidades espirituais.

No entanto, o que vemos é a permanência da fome, pois as coisas do mundo não atendem a essas necessidades da alma.

A igreja nesta hora tem descansado na presença do Senhor Jesus, pois ela sabe que Ele é poderoso para suprir todas as suas necessidades, e que a sua providência sempre vem na hora certa.

3 –        O Alimento

Eliseu mandou seu moço colocar a panela grande ao lume (fogo), e sem seguida ordenou que preparasse um caldo de ervas para que todos pudessem se alimentar. Feito isso, todos os filhos dos profetas saíram ao campo em busca de ervas, para com elas prepararem o caldo. Um deles, no entanto, se afastou demais na sua busca por ervas, e encontrou um tipo de planta venenosa e tóxica, chamada coloquíntidas (um tipo de pepinos bravos), e inadvertidamente colheu uma boa quantidade e veio e lançou tudo na panela grande, junto com as outras ervas. Quando o caldo foi servido, todos começaram a se sentir mal, e alguém gritou: “Há morte na panela!”.

O alimento do povo de Deus é a Doutrina Revelada e preparada pelo Espírito Santo para ser distribuída no corpo. A Palavra Revelada é o nosso alimento, o qual sacia nossa fome em tempos de escassez como os de hoje.

Somente o Senhor sabe como preparar esse alimento, e Ele sabe também aquilo de que precisamos nos alimentar.

a)  O Moço

Deus tem usado o Ministério (tipo do moço de Eliseu) para transmitir a Palavra revelada que vai alimentar a igreja.

b)  A Panela Grande e o Fogo

Tudo tem que ser feito na panela grande (o coração cheio da graça) e no fogo (comunhão do Espírito Santo).

c)   Saiu ao Campo

Toda a Doutrina da Obra tem sido revelada no corpo, o qual tem se alimentado e vivido dela.

Nada é feito fora do corpo, pois o que vem de fora do corpo, pode trazer grandes prejuízos para o corpo e seus membros.

Quando alguém se afasta do corpo, perde a comunhão e o discernimento, e termina absorvendo coisas estranhas, do mundo, da religião, de livros, etc. trazendo depois para dentro da igreja, causando mal estar e morte aos que provarem delas.

Não podemos trazer as coisas da religião, seus métodos, dogmas, usos e costumes, etc. para o nosso meio, pois essas coisas (aparentemente inofensivas) podem contaminar a muitos, principalmente os novos na fé, causando-lhes graves prejuízos espirituais.

4 –        A Farinha

O profeta Eliseu ordenou que se trouxesse farinha e se colocasse dentro da panela com o caldo venenoso, a fim de que a morte fosse retirada.

Quando surgem coisas prejudiciais no meio da igreja, coisas do homem, da religião, ensinos que podem ser danosos às vidas das pessoas, é necessário a presença e a revelação do Senhor Jesus. Ele é o trigo que foi moído por nós (farinha), para nos curar de todos os nossos males.

Assim como a farinha absorveu a morte que havia na panela, Jesus absorveu em seu corpo a morte em nosso lugar, para nos dar a vida eterna.

Quando a igreja passa por momentos de perigo, pela infiltração de ensinos não revelados pelo Espírito Santo e outras coisas que trazem prejuízo, é necessário a busca de uma comunhão mais profunda com o Senhor Jesus (madrugadas, jejuns, vigílias, ceia) para que a morte seja suplantada e afastada do corpo (igreja), para que todos possam continuar se alimentando e vivendo na presença do Senhor.

###################################################################################################

Logo de inicio ja está explicita a manipulação pois ja começam falando que O alimento do povo de Deus é a Doutrina Revelada e preparada pelo Espírito Santo.

A bilbia diz que alimento para nossas vidas é a palavra de Deus  e não a palavra revelada. ja começaram a inventar a tal doutrina revelada que eu ja postei e muitos cairam nessa história esquecendo que a palavra de Deus que é alimento para nossas vidas.

 

casamento a moda militar

10647759_714520535262793_1090394435_n10637655_714520531929460_617861830_n

A nova dinamica agora tambem é essa!
Querem mostrar poder, pois o noivo nem militar é.
Da outra vez vieram defensores dizendo que isso é normal pois o noivo era militar e agora?
Nova tática para mostrarem poder, um dos militares é diacóno o da esquerda e o da direita é genro de pastor.
Que benção heim!
Estão se superando mesmo.

Cerimonial Manaaim

 

10672240_607384869381727_7281892129282437079_n10665838_607384876048393_7920521396906201120_n

10644868_607384879381726_4984971465891912603_n10635932_607384872715060_6251606025245984649_n

10407376_607384882715059_526367330895467731_n10302013_607384866048394_3166484209967605465_n

Esse cerimonial, a mais nova inovação da dinaminca da obra, foi aberto para comemoração do aniversário de um pastor e politico da AD.

Vários politicos estiveram presentes nesse evento de comemoração dos 80 anos desse pastor Adão que é da Igreja Assembléia de Deus e exerce liderança politica na região.

E antes tiveram uma reunião com os obreiros da Assembleia de Deus e foi passado a orientação para os obreiros e pastores usarem terno preto e gravatas vermelhas seguindo as revelações do sinhogg.

Agora os irmãos que precisarem de cerimonial para comemorar casamentos, aniversairios e outros eventos, é só requerer pois é direito dos membros.

 

 

 

Amadeu e o Gg não compareceram

untitled10638020_730189347017860_928845068_n

 

Ontem o papa da obra Gg dono da igreja, o que fundou e afundou a obra que ele criou como forma de vida, e o Teteu pulador de cercas não compareceram a audiencia.

Os dois metralhas valentes da obra, que gostavam de meter o pau nas outras denominações, e de massacrar seus membros com suas doutrinas de terror e suas pragas trancaram! Amarelaram?

São esses valentes que alguns se espelham e defendem?

Não sei qual foi a desculpa dada, e tambem nem quero saber, só sei que se acharam que com sua ausencia seria adiada a audiencia se deram mal.

Os dois na entrevista deram suas desculpas, o idoso gg pela idade, mas na hora de aprontar de fazer o que fizeram ele não era idoso.

E tudo bem que seus advogados os representa, mas eles nçao são melhores do que os outros que foram.

Se depender deles os outros estão ferrados!

 

Mais um processo que o papa da obra GG perde

images

 

http://aplicativos.tjes.jus.br/consultaunificada/faces/pages/pesquisaSimplificada.xhtml

0006472-59.2013.8.08.0035 – Último andamento em28/08/2014 – Autos devolvidos do juiz com decisão

Ação: Ação Penal – Procedimento Sumaríssimo
Vara: VILA VELHA – 1º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL/FAZ. PÚBLICA
Situação: Tramitando
Petição Inicial: 201300216417
Querelante: GEDELTI VICTALINO TEIXEIRA GUEIROS
Querelado: LUCAS AVILA DE ARAUJO
 
Pelo jeito o dinheiro dos dizimos não estão sendo bem gastos porque perdeu mais um processo.
Vai perder todos!
Quis brincar de ser Deus se deu mal. O castelo está ruindo!

Obra como forma de vida ( 4 periodo) esqueça essa aula

untitled

 

OBRA COMO FORMA DE VIDA
(I Samuel 1:9-20)

1. Quando nós olhamos para o Evangelho hoje em dia, percebemos que o inimigo está realizando uma obra de descaracterização do mesmo. As pessoas perderam totalmente a visão das coisas espirituais, isto porque o inimigo tem semeado o joio no meio do trigo causando sua diluição. Ele usa o fermento para levedar a massa e depois o pão que oferece está cheio de mofo e bolor. Nós vemos nos dias atuais, no meio religioso, a total descaracterização do “Pão da Vida” em todos os aspectos. Eles substituíram o Pão Vivo pelo pão da padaria, pelo pão material, e tem surgido nesta última hora um grande movimento político prometendo “pão e paz”, mas o que vemos na verdade é o contrário: nem paz nem pão. O adversário não está desiludido nem insatisfeito com isso, pelo contrário, tudo faz parte do seu plano. Ele alardeou estas coisas, chamando a atenção de todo mundo para este elemento fundamental que é a sobrevivência. Todos têm perdido a noção da eternidade e seus anseios estão voltados somente para aquilo que é material. A população mundial cresce a cada dia, a produção de alimentos diminui, de modo que a fome aumenta em toda a terra. Há um governo mundial conduzindo tudo isso, e este governo não é do Senhor.

2. Era esta a situação em que nos encontrávamos. A Bíblia e o Evangelho não passavam de mera teoria. As citações de textos, a imitação do que é espiritual e o Evangelho caolho e horizontal não representavam nenhuma forma de vida. Qualquer povo ou nação que perde sua característica de vida, sua base e sua identidade, se transforma numa etnia sem nenhuma credencial ou reconhecimento. Foi isto que aconteceu com o Evangelho hoje em dia, ele perdeu suas características de vida e sua essência. Quando Jesus convocou sua igreja e seu povo, o fez para viver sob uma forma de vida onde o Espírito Santo haveria de dirigir e orientar esta vida da mesma maneira como sempre fez no passado. Quando Ele tira o povo do Egito, o faz com uma liderança bem definida, com uma determinação e uma orientação de alcançar a Terra Prometida, e nela construir sua habitação definitiva. Quando o povo esqueceu o Egito e largou os seus costumes, ele se identificou com esta forma de vida e se viu diante da Terra Prometida.

3. A Obra não surgiu por um acaso. Ela é o resultado das intercessões, de clamores de servos e servas que choraram diante do Senhor, que clamaram por causa da situação em que viviam, e foram ouvidos. Esta foi a experiência de Ana. A Bíblia fala sobre como as coisas iam no tempo de Eli, de sua situação. A luz do templo estava se apagando naqueles dias, não havia revelação. Os filhos de Eli haviam contaminado o altar do Senhor, eles confundiam aquilo que era santo e aquilo que era profano e misturavam aquilo que era do Senhor com aquilo que era deles. Eles metiam seus garfos no holocausto, tomando para si aquilo que pertencia ao Senhor. Eli via estas coisas e não dizia nada, porque não tinha autoridade sobre seus filhos.

4. Por outro lado chorava uma mulher que não tinha filhos, e ela foi ao templo orar e derramar sua súplica perante a face do Senhor. Eli a viu e julgou que estava embriagada. Ana disse que não estava embriagada e sim com o coração cheio de amargura por ser estéril. Era a situação de Israel também, pois não tinha fruto e não havia solução para sua situação. Nós podemos perceber na Palavra que as grandes manifestações de Deus ocorrem em meio às grandes lutas. Vejamos o exemplo de Jacó, quando teve que fugir de seu irmão Esaú, a maneira como ele casou com Raquel depois de trabalhar quatorze anos por ela, depois sua morte ao ter o primeiro filho. Tudo ocorreu para que o povo de Israel fosse formado. Depois José foi vendido por seus irmãos, e no Egito ele passou por grandes lutas até se tornar governador e salvar seu próprio povo da morte. Quando Deus colocou em prática o seu projeto de salvação do homem, Ele ofereceu seu único Filho, seu único Cordeiro.

5. Quando Ana orou ao Senhor pedindo um filho, fez um voto que o daria ao Senhor todos os dias de sua vida. O Senhor atendeu ao pedido de Ana e logo que Samuel desmamou, ela foi ao templo para entregá-lo ao sacerdote. Aquele ato foi um ato quase “louco”, porque ela estava dando uma criança que ela amava profundamente, que ela não tinha, filho único, e ela o deu ao Senhor. Seu ato propiciou uma mudança total na vida de todo o Israel, pois Samuel foi o instrumento que Deus usou como juiz, sacerdote e profeta, para cumprir o seu propósito durante toda a sua vida. Foi Samuel que ungiu Davi rei de Israel, e encaminhou o povo em outra direção conforme a vontade do Senhor.

6. Voto de Ana foi mais que “atrevido”, pois era contrário a tudo que havia de racional. Ela estava dando ao Senhor aquilo que havia de mais precioso em sua vida. Ela o deu por todos os dias de sua vida, a única coisa que tinha, seu único filho Samuel. Ela o tomou e o levou ao templo para um velho tomar conta. Qual era o futuro daquele menino? Era servir ao Senhor simplesmente. Mas quem iria cuidar da criança? quem ia dar a mamadeira a ele? quem iria cuidar dele quando adoecesse? Eli já tinha 80 anos de idade, será que saberia cuidar de uma criança tão pequena? Mas Ana fez um voto ao Senhor e deu tudo que ela tinha, seu filho único. Todo o amor dela estava ali.

7. A Obra do Espírito é exatamente assim. É todo o amor do coração do homem. O homem que não ama esta Obra como filho único, não tem esta Obra no coração, pois a Obra é filho único. É toda a nossa esperança, é toda a nossa expectativa, é toda a nossa preocupação e lutas, é todo o nosso pensamento. Nós acordamos de manhã, nós dormimos, nós trabalhamos, nós comemos, adoecemos, nós vivemos, nós morremos, mas a Obra é a primeira coisa na nossa vida. Quando Ana levou Samuel para entregá-lo ao Senhor, levou também:

3 novilhos = Trindade (o Pai em uma só pessoa, o trabalho, a doutrina, o esforço que produz,
aquilo que vai dar uma nova movimentação, pois o novilho era usado no trabalho).
1 efa de farinha = o Filho (o Pão da vida)
1 vinho = Espírito Santo.

A criança não estava sozinha, isolada. A Obra não anda isolada, mas está acompanhada da Trindade.

8. Nós podemos lembrar do amor de Ana por esta criança. Ela não morava ao lado do templo, mas em outra aldeia. Ela o deu e foi embora. E como deve ter sido dura a despedida. A criança talvez não estivesse entendendo nada do que estava acontecendo, e quem sabe relutou em ficar, pois o seu desejo era estar com sua mãe. Ana certamente saiu dali com o coração partido, pois também almejava estar com seu filhinho, e como foi duro ver as lágrimas de Samuel a chamá-la dos braços de Eli. Mas ela não podia voltar atrás, pois tinha prometido Samuel ao Senhor. A Bíblia diz que to dos os anos Ana levava uma roupinha de linho que ela fazia para Samuel. Ele servia ao Senhor com aquela roupinha. Samuel estava na mente e no coração de Ana todos os dias. Seu sentimento era muito mais intenso do que se Samuel estivesse ao seu lado. Ela tecia a roupinha cada dia, ponto a ponto, e a cada ponto ela lembrava de Samuel. Como estaria ele naquela hora? Será que ele dormiu bem? Será que ele está doente? Será que ele está brincando agora? Será que ele está sentindo falta de mim? Ela pensava nele durante todo o ano. Quatro meses se passaram, pensava Ana. Onze meses se passaram, só falta um mês para eu ver meu filhinho. E no dia da viagem ela partia feliz com a nova roupinha para Samuel. A Obra é exatamente assim na nossa vida. Com ela nós tecemos o linho todo dia. Se estamos no trabalho estamos pensando na Obra. Como deve estar ela? O irmão fulano, como ele está? Senhor dá uma bênção à Tua igreja, nós oramos. E o seminário? Senhor abençoa todas as coisas. O salário foi aumentado, foi a bênção do Senhor… Samuel, meu filhinho.

9. A Obra é filho único. Quem não tem a Obra como filho único não tem a Obra. A Obra é grande, e ela será grande pelos atos de fé daqueles que entregam seu coração, por aqueles que confiam no Senhor e deixam até mesmo aquilo que parece impossível de deixar (testemunho do pastor em Portugal que recebeu a notícia de que sua esposa estava hospitalizada no Brasil). A cada ano quando Ana levava a roupinha, ela avaliava o quanto ele havia crescido, e a roupinha cabia nele na medida certa, e com ela ele servia ao Senhor. E aquela roupinha com que ela cobria Samuel, representava sua própria vida, e tudo que Samuel tinha ela é quem dava. Era o amor perfeito. Estava longe dele, mas quanto mais longe, mais o amor se aprofundava mais ela pensava nele, pois ela não podia perder Samuel de sua vida. Ela não trocava Samuel por nada neste mundo.

10. Samuel teve a incumbência de anunciar o fim daquela fase negra em Israel. A Obra tem a séria incumbência de anunciar o fim deste evangelho caolho que aí está sem revelação. É função da Obra, como foi função de Samuel, anunciar o fim deste evangelho distorcido que está aí, não na crítica, mas criando uma coisa nova, uma roupa nova cada ano para Samuel. Uma roupa perfeita, sem manchas, sem pontos fora do lugar, pois ela não negligenciava nisso. É o zelo que se deve ter com a Obra, com a revelação, é aquilo que cobre a Obra do Espírito, o retrato da roupa de Samuel é o retrato da nossa própria vida, daquilo que nós fazemos para o Senhor. Era tudo que ela tinha, Samuel seu filho querido, seu filho único. E Deus deu seu Único Filho por nós, como oferta. Como Moisés um dia também foi jogado n’água. A Grande Obra de Deus sempre foi firmada nestes projetos, quando Deus usa um homem na sua espontaneidade. Lutero não se dobrou diante da tirania de Roma. Policarpo não negou sua fé diante da morte. Deus começou a falar com Samuel, pois Eli não podia mais ouvi-lo. Deus hoje tem falado através de sua Obra porque a religião não o ouve mais. A OBRA É FORMA DE VIDA.