O desafio é ajudá-los a aplicarem a doutrina da Obra em suas vidas.

images

PALAVRA AOS JOVENS
Provérbios 3: 5, 6

“Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas”.

TEMAS – Principais preocupações e necessidades dos Jovens.

Instrumentalidade (Trabalho para o Senhor);
Lar (Familiares);
Escola / Universidade;
Trabalho;
Constituição do Lar.

1) INSTRUMENTALIDADE (Trabalho para o Senhor)
Todo o Jovem da Igreja deve sentir e conhecer:

A alegria do Espírito (que o mundo não dá);
Os benefícios e vantagens de estar na Casa do Pai todos os dias (as alegrias da Casa do Pai: anel, vestes, sandálias, bezerro cevado – Festa);
A Herança (ser herdeiro da Vida Eterna);
Ter o Senhor Jesus como seu melhor amigo;
Viver no Corpo (andar na revelação).

Obs.: O trabalho para o Senhor garante ao jovem o equilíbrio entre a vida secular e a vida espiritual. O trabalho para o Senhor torna o jovem participante na igreja.

2) LAR (Familiares)

Os Jovens precisam saber da necessidade de:
Respeitar seus pais (descrentes ou não);
Ter um bom testemunho dentro de casa (no falar e no agir);
Ter cuidado com os programas de televisão;
Ter cuidado com determinados artigos de revistas;
Não abrir segredos da Obra para pais ou parentes descrentes;
Não criticar ou apontar defeitos dos irmãos da igreja com a família (ter respostas sábias quando o inverso acontecer).
Obs.: Não descuidar do Culto no Lar, mesmo estando sozinho em seu quarto.

3) ESCOLA / UNIVERSIDADE

Os Jovens devem estar preparados para:
O relacionamento com os colegas (enfrentar perseguições, convites, etc.). Os convites mais comuns nas escolas são: festas, frequentar lugares da moda, participar de excursões da escola e experimentar coisas proibidas;
O relacionamento com seus professores (devem estar prontos para enfrentar possíveis provocações, ameaças, constrangimentos na frente dos colegas e, até mesmo seduções);
Não serem levados pelas dúvidas geradas pelas demonstrações de sabedoria humana e argumentos inteligentes dos professores;
Em consequência não devem se angustiar com a necessidade de estudar temas filosóficos, históricos ou científicos que firam a Palavra de Deus;
Não entrarem em discussões polêmicas vãs, especialmente assuntos relativos a religião (cuidado com a postura equivocada dos colegas evangélicos religiosos, e com a atuação ostensiva em sala de aula de colegas e professores espíritas e carismáticos);
Devem lembrar que, mesmo calados ou quietos (ou exatamente por esta razão) são luzes nas trevas, e que todos (inclusive professores), estarão sempre atentos às suas qualidades e respostas;
Não serem participantes de conversas tolas ou assuntos maliciosos, especialmente assuntos que estão na moda ou fatos que foram divulgados na mídia e que todos comentam e fazem piadas;
Devem perceber que a alegria de seus colegas ímpios (que querem demonstrar que são jovens e estão aproveitando a vida) é aparente e oculta necessidades e angústias graves;
Devem saber que, no momento certo, os seus testemunhos nas escolas e faculdades darão frutos.
Obs.: Segunda-feira costuma ser um dia difícil para alguns jovens, principalmente para os novos convertidos, pois toda a turma foi ao show ou esteve no lugar da moda no final de semana…

4) TRABALHO

Os jovens devem estar atentos para:
Armadilhas profissionais (mentiras, propostas de sucesso rápido);
Não participarem de atividades que não agradam ao Senhor com medo de ficarem para trás profissionalmente;
Sentimento de Vaidade e de Poder (colocar o sucesso profissional acima da bênção do Senhor);
Tomar decisões sem consultar o Senhor;
Testemunho no ambiente de trabalho e em atividades extras exigidas pela profissão: inaugurações,
recepções, aniversários de chefes ou colegas, coquetéis, congressos, cursos, etc.;
Despreparo para exercerem funções de destaque antes da hora, nas quais serão facilmente derrubados.
Obs.: Os Jovens devem conhecer as experiências de vitórias no trabalho de outros servos.

5) CONSTITUIÇÃO DO LAR

Namoro e casamento não devem ser a principal preocupação dos Jovens;
Os Jovens devem buscar o equilíbrio e alcançar a vitória contra a carne;
Os Jovens, em sua maioria, preocupam-se apenas com o ato do casamento. Devem entender que a relação marido/mulher é um processo contínuo (o casamento não é um ponto de chegada, mas um ponto de partida para uma nova e longa etapa da vida adulta);
Os Jovens devem procurar observar as características e comportamentos espirituais de seus candidatos a maridos ou esposas.
Obs.: Os Jovens devem entender a necessidade de obedecer e a paciência de alcançar o propósito do Senhor para suas vidas.

SERVOS QUE SE CONVERTEM JOVENS
Os jovens, de modo geral, gostam e precisam de se identificarem com os grupos de jovens da igreja para conversarem, contarem suas experiências, sentarem juntos no culto, etc… Os jovens não sofrem tanto quanto as crianças, e especialmente os adolescentes, ao serem discriminados por outros jovens, entretanto, ainda não são plenamente adultos e a necessidade de identificação e aceitação pelos grupos de jovens é um fator de luta espiritual para eles – o que não acontece com uma senhora com marido, filhos ou netos, que se convertem, por exemplo.
Os jovens sofrem com a perda ou necessidade de se afastarem das antigas amizades do mundo, às vezes do melhor amigo – até descobrirem quem é o “Melhor Amigo”. Como consequência, especialmente no início da caminhada, sentem uma profunda solidão, muitas vezes agravada pela incompreensão dos pais. O inimigo tentará, deste modo atingi-los, insistindo em convencê-los de que tiveram perdas ao se tornarem crentes: perda dos amigos ou daquilo que deixaram de fazer ou participar na condição de jovens.
Os que se convertem e ainda não amadureceram ou não tiveram experiências profundas com o Senhor, geralmente começam a observar e a se preocupar com defeitos de comportamento e postura de outros jovens, ou ainda reclamam a falta de atenção dos diáconos e outros irmãos – ainda não convenceram o mundo. Necessitam de um constante e paciente acompanhamento inicial, pois o número de dúvidas e conflitos interiores é enorme. São marcados com experiências com o pecado do mundo.
Ao tomarem consciência do pecado, às vezes têm comportamentos ou assumem posições radicais ou pouco sábias e, portanto, devem ser ajudados a alcançarem uma vida espiritual equilibrada. Ao se converterem, muitas vezes se precipitam no falar ou no agir com os colegas na escola ou no trabalho, e também com os familiares. Por outro lado, percebem, no decorrer do processo de santificação, as diferenças concretas entre a vida de um jovem no mundo e a vida de um jovem na presença do Senhor, pois têm parâmetros para comparar a nova vida com as situações que viveram anteriormente. São por esta razão, mais preparados para receberem determinados laços ou armadilhas – se um ambiente aparentemente inocente, não está bom, por exemplo.
Quando são os primeiros a se converterem no lar, têm lutas com os pais e irmãos que usam vários argumentos e ameaças para tornar a levá-los para o mundo. Geralmente vivem em lares com sérios problemas – pais com vícios, brigas, desajustes, libertinagens, etc. Valorizam a participação nos serviços na casa do Senhor, entretanto, alguns correm o risco de querer logo aparecer na igreja. Muitos têm pressa em obter os dons, sem se preocuparem com o aperfeiçoamento da vida espiritual como um todo.
Os rapazes que se convertem ficam muitas vezes confusos com o mal comportamento de algumas moças. As moças que antes tiveram namorados, sofrem com a longa espera do escolhido. Se o namoro ou o casamento forem as principais preocupações destes jovens, certamente sairão da igreja ou viverão como religiosos, e a igreja será como um clube, como um ponto de encontro social para esperar marido ou encontrar namorada.
Obs.: Apesar de todas estas dificuldades, quando realmente abrem seus corações para deixarem o Espírito Santo agir, tornam-se servos e servas definidos, evangelistas sensíveis às dificuldades de outros jovens.
Os grupos de assistência devem interceder e acompanhar constantemente estes jovens. Devem ajudá-los a obterem vitórias e a enxergarem os ganhos de uma vida na presença do Senhor.
A igreja também é a família destes jovens. Os irmãos adultos não precisam ser “moderninhos” para alcançarem e ajudarem estes jovens – o mundo já é assim, este é o engano das religiões. O que eles precisam é do conhecimento pessoal da Palavra, da direção do Espírito nas suas vidas e das experiências de fé. Os irmãos adultos devem ter firmeza e autoridade, coerência na ajuda, o que os jovens não vão encontrar em casa, no trabalho ou nas escolas.

O desafio é ajudá-los a aplicarem a doutrina da Obra em suas vidas.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s